O que são PANCs? Saiba mais sobre essa proposta de alimentação

Alface, couve, rúcula, cenoura, batata e outros tantos vegetais — o que eles têm em comum? São reconhecidos como alimentos. Entretanto, você sabia que existem várias plantas que podem ser consumidas, mas que muita gente não sabe porque não é comum na região? Pois é! Afinal, o que são PANCs?

As Plantas Comestíveis Não Convencionais estão cada vez mais presentes na gastronomia. Chefs que valorizam os ingredientes regionais aproveitam todo o sabor delas para fazer pratos saborosos e peculiares. Entretanto, não é somente isso. Esses alimentos também são muito nutritivos e podem fazer parte de uma alimentação saudável.

Ficou curioso para saber o que são essas plantas tão incríveis? Então, continue a leitura, pois, neste post, contamos para você tudo o que é necessário saber para incluí-las no seu cardápio. Confira!

O que são PANCs?

Provavelmente, em algum momento da vida, você já comeu alguma Planta Alimentícia Não Convencional. O trevinho de 3 folhas em formato de coração, por exemplo, com o sabor azedo, fez parte de muitas infâncias por aí. Apesar de já existirem há muito tempo, foi em 2008 que o biólogo Valdely Ferreira Kinupp criou o termo para designar essas plantas que não são tão comuns à mesa de determinadas regiões.

As PANCs são um conjunto de vegetais que podem ser ingeridos, mas que não fazem parte do dia a dia da alimentação de uma determinada cultura. Sendo assim, o que é PANC em um lugar pode não ser no outro. Por exemplo, a ora-pró-nóbis é uma planta que dá flores e é muito consumida em algumas cidades de Minas Gerais.

Dessa maneira, ela não é considerada PANC pelos mineiros, mas, em outros estados que não têm o costume de consumi-la, ela é. Engana-se quem pensa que PANCs são apenas os matos que crescem naturalmente nos terrenos. Obviamente, é possível encontrá-las lá, mas também dá para cultivá-las.

Além do mais, não se trata apenas de folhosos. Legumes e frutas também podem ser classificados como PANCs dependendo da forma de consumo e da popularidade na culinária. A manga verde é um bom exemplo disso.

Como identificar uma PANC?

Seria incrível se existisse uma dica para saber se uma planta pode ser consumida ou não, porém não há. A única forma de identificar uma PANC é estudando sobre o assunto e aprendendo a reconhecer as características do vegetal.

Além de saber o nome popular, é necessário aprender o nome científico. Isso porque a mesma nomeação pode servir para duas plantas diferentes, dependendo da região. Livros e sites de confiança que disponibilizam fotos em detalhes podem ser de grande ajuda na hora de diferenciar uma PANC.

Um alerta que fica é sobre ingerir plantas sem ter certeza de que podem ser consumidas. Muitos vegetais contêm substâncias tóxicas que podem causar sérios problemas de saúde. Fora isso, alguns deles até podem ser comidos, porém devem ser preparados de maneiras específicas para desativar toxinas.

Quais são as PANCs mais consumidas?

Já pensou em encontrar, em seu jardim, algum vegetal que pode ser utilizado para comer? As PANCs são mais comuns do que se imagina e pode ser que você conheça alguma, só nunca achou que poderia consumi-la. A seguir, confira algumas delas.

Peixinho

O peixinho ou lambari da horta, como também é chamado, é uma folha cheia de pelinhos. Ele é fonte de fibras, de cálcio e de ferro. Além disso, é muito utilizado na forma de chá para tratamento de tosses e dor de garganta. Para preparar essa PANC, basta empaná-la em ovo e farinha de rosca e fritá-la, sendo um ótimo aperitivo.

Taioba

A taioba ou orelha-de-elefante é uma planta muito comum nas matas e é considerada por muitos como um tipo de mato ou até erva daninha. Entretanto, ela pode fazer parte do cardápio do dia a dia, pois é rica em vitaminas e minerais, trazendo diversos benefícios ao organismo, como fortalecimento do sistema imunológico e prevenção do envelhecimento precoce.

Existem dois tipos de taioba: a mansa e a brava. No caso, apenas a primeira pode ser consumida, já que a outra pode causar irritação na garganta e mal-estar. Para identificar, é bem simples: as folhas de ambas parecem um coração, porém, na mansa, a junção do desenho sai a partir do talo. Já na brava, o talo sai do meio da folha. Você pode preparar a taioba como couve, apenas refogada em temperos.

Ora-pró-nóbis

A ora-pró-nóbis é uma planta muito ornamental, pois suas flores são lindíssimas. Talvez por isso muita gente nem imagine que suas folhas podem ser incluídas na alimentação. Sabia que essa PANC é rica em proteínas? Cerca de 25% da composição das folhas é desse nutriente.

Nessa planta, tudo pode ser aproveitado: folhas, flores e frutos são ingeridos crus ou cozidos. Entre os benefícios dela, está a prevenção de doenças do trato gastrointestinal, de diabetes e de varizes.

Beldroega

A beldroega é uma planta muito charmosa por sinal. Ela tem folhas arredondadas e suculentas, caule marrom e flores bem simpáticas. Ela também é conhecida por onze-horas, já que, por volta desse horário, as suas flores se abrem.

Ela é rica em ômega-3, um ácido graxo importante para a saúde cardiovascular, e em vitaminas antioxidantes, como a A e a C. Na cozinha, ela pode fazer parte de saladas, quando crua, e de sopas, de cozidos e de refogados.

Saião

O saião é um velho conhecido da medicina popular. Isso porque é utilizado para tratar úlceras e gastrites, além de dores de estômago e indigestão. Ele tem propriedades anti-inflamatórias, antimicrobianas e cicatrizantes. A sua forma de consumo é cru em saladas ou em sucos.

O que são PANCs é uma curiosidade que muita gente tem, afinal, elas têm sido cada vez mais faladas. Essas plantas podem não ser tão convencionais à mesa, mas, pelo que vimos neste post, são nutritivas e trazem diversos benefícios à saúde. Por isso, pode ser uma boa ideia incluí-las no cardápio.

Gostou do nosso post? Saiba que sempre trazemos novidades sobre saúde, bem-estar e nutrição por aqui. Para ficar por dentro de tudo em primeira mão, assine a nossa newsletter e receba tudo diretamente na sua caixa de e-mail!

Quanto mais natural, melhor.

Chega de ultraprocessados, realçadores de sabor e de listas de ingredientes impossíveis de entender. As nossas
refeições não tem corantes ou conservantes artificiais, e cada ingrediente é comida de verdade.