Você sabe qual a relação entre alimentação e sustentabilidade?

Quando pensamos em um mundo mais sustentável, logo nos vem à mente a redução dos impactos ambientais causados pela poluição e pelo desperdício de água, por exemplo. Mas você já parou para pensar nos prejuízos que a cadeira produtora de alimentos causa? Cada vez mais, as pessoas estão se conscientizando de que alimentação e sustentabilidade têm tudo a ver, e isso é muito válido.

Muita gente ainda não tem noção dos danos que a agricultura e a pecuária convencionais podem ocasionar ao meio ambiente. Ao mesmo tempo, cresce o número de consumidores de produtos orgânicos, o que já é algo muito positivo. Quer entender melhor essa relação entre o que você coloca no prato e a preservação do planeta? Então, continue a leitura, pois é sobre isso que falaremos neste post. Confira!

O que é a sustentabilidade?

Sustentabilidade é a palavra da vez, e não poderia ser diferente. Estamos colhendo os frutos de anos e mais anos de depredação do meio ambiente, então, é a hora de tentar reverter essa situação. Por definição, a sustentabilidade é o conjunto de ações e atividades humanas que têm como objetivo suprir as necessidades das pessoas de hoje sem afetar as futuras gerações.

A economia de água, a reciclagem do lixo e a redução da emissão de poluentes na atmosfera são apenas algumas das medidas que envolvem o ser sustentável. O consumo consciente, por exemplo, é uma maneira de ser sustentável. Você sabia que uma calça jeans leva 11 mil litros de água para ser produzida?

Então, quando deixamos uma peça guardada na gaveta, sem utilidade, não somos sustentáveis. Já quando reaproveitamos para fazer um short ou doamos para alguém que vai usar, damos utilidade àquele objeto e “honramos” a água que foi gasta.

É por isso que, atualmente, a moda é “menos é mais”. Ou seja, ter menos roupas que combinam entre si é ser sustentável. Bom, esse foi apenas um exemplo de como podemos incluir a sustentabilidade na rotina. A seguir, contamos como a alimentação também entra na realidade sustentável.

Qual é a relação entre alimentação e sustentabilidade?

Como dissemos, a sustentabilidade entra em todas as áreas da nossa vida, inclusive na alimentação. Nas eras mais primitivas da humanidade, os nômades viviam em comum acordo com a natureza. O seu alimento era obtido por meio da caça e da colheita de vegetais, o que não modificava a dinâmica natural.

Com a fixação dos povos nas terras, houve a chegada da agricultura e da pecuária. Posteriormente, a concentração das pessoas em cidades fez com que a produção de alimentos fosse algo industrial. Então, vários métodos artificiais foram inventados para aumentar e melhorar a produtividade, como fertilizantes químicos, agrotóxicos, manipulação genética e utilização de hormônios em animais.

Tudo isso virou um problema contra o meio ambiente, pois o afeta negativamente, contaminando o solo, emitindo gases e prejudicando a água. Ou seja, a alimentação vinda desse tipo de produção de alimentos não é sustentável.

Em contrapartida, já há uma preocupação em produzir alimentos de maneira sustentável, como é o caso dos orgânicos, que não utilizam químicas, além de métodos de reaproveitamento da água da chuva para irrigação e uso de energia limpa.

Quais os impactos da produção de alimentos no meio ambiente?

Como dissemos, a pecuária e a agricultura convencionais impactam diretamente o meio ambiente. Podemos listar uma série de malefícios desses métodos por aqui, mas ficaríamos muito tempo falando. A seguir, confira alguns deles.

Pecuária

Veja, abaixo, alguns malefícios relacionados à pecuária:

  • empobrecimento do solo;
  • gasto de recursos naturais, como a água. Para se ter ideia, 1 kg de carne precisa de 16 mil litros de água e 5 kg de alimento vegetal para ser produzido;
  • desmatamento de florestas para pastagem;
  • emissão de gases de efeito estufa, tanto pelas queimadas para criação de pasto quanto provenientes do gado.

Agricultura

A agricultura convencional utiliza fertilizantes e pesticidas tóxicos não somente para a saúde humana, mas para a saúde de todo o planeta, já que contaminam o solo e a água. Além disso, também favorece o desmatamento, pois grande parte das plantações é para a fabricação de alimento para os animais da pecuária.

Como é possível ter uma alimentação sustentável?

Não é segredo para ninguém que a fome é um dos grandes problemas da humanidade. No Brasil, a produção de alimentos é mais que suficiente para alimentar toda a população. Mas o que a sustentabilidade tem a ver com isso? Bom, além da desigualdade social, o desperdício é um fator que contribui para que os alimentos não cheguem até quem precisa.

O desperdício começa desde as lavouras, onde pragas e problemas climáticos devastam as plantações. No transporte e na comercialização, também há uma porcentagem de alimentos que ficam impróprios para o consumo. No entanto, é em casa que o desperdiçamento maior acontece.

Quantas vezes você fez mais comida que o necessário e ela foi jogada fora? Quantas vezes aquele legume ou fruta, por exemplo, estragou antes que você pudesse consumi-lo? Isso tudo é fruto de uma cultura da fartura, mas que prejudica o meio ambiente.

Recursos naturais foram utilizados para produzir aquele alimento que está indo para o lixo, e isso não é sustentável. Sendo assim, a primeira maneira de ter sustentabilidade na alimentação é evitando o desperdício comprando somente a quantidade que consumirá.

O aproveitamento integral de alimentos, como cascas, talos e sementes de vegetais, é uma ótima maneira de começar. Dessa forma, você aproveita tudo o que aquele ingrediente tem a oferecer, poupando e honrando os recursos que foram utilizados ali.

Outra forma é adotando uma alimentação mais limpa, como os vegetais orgânicos, que não utilizam agrotóxicos para serem produzidos. Quando a pessoa não é vegetariana, reduzir a ingestão de carne também ajuda, e muito, a poupar a natureza. Quanto menor o consumo de alimentos vindos de produção não sustentável pela população, menor será a quantidade produzida e, consequentemente, os efeitos negativos dela.

Como a dieta plant based pode ajudar na preservação do planeta?

Uma dieta plant based pode ajudar — e muito — na preservação do planeta. Ela é baseada em 100% de vegetais, assim como a vegetariana estrita ou a vegana. Então, o que ela tem de diferente? Todos os alimentos devem ser livres de processos de industrialização.

Corantes, conservantes e qualquer outro aditivo químico é descartado do cardápio. Além disso, a prioridade é consumir alimentos orgânicos. Para a saúde humana, isso significa:

Não para por aí. Para o meio ambiente, a plant based também tem muito valor. Uma alimentação totalmente baseada em vegetais reduz: o gasto de água, o desmatamento e a emissão de gases de efeito estufa. Além do mais, dá para produzir mais proteínas em menos terra, se compararmos as proteínas vegetais e as animais.

Por falar em terreno, uma pessoa que segue a plant based precisa utilizar menos espaço de produção de alimentos. Ou seja, em um hectare, dá para alimentar mais gente que consome apenas vegetais do que alimentar gente que não segue essa dieta.

Viu como alimentação e sustentabilidade têm tudo a ver? A produção de alimentos, principalmente a pecuária, é responsável por impactos negativos no meio ambiente. Além do mais, o desperdício é um dos grandes vilões da fome mundial. Ter uma dieta mais sustentável faz bem para a saúde da gente e do planeta. Somente assim, conseguiremos reverter os problemas causados à natureza.

Que tal começar agora mesmo a ter uma alimentação mais sustentável? O congelamento é uma ótima maneira de evitar o desperdício, afinal, aumenta a validade dos alimentos. Entre em contato agora mesmo e veja as nossas opções de pratos vegetarianos congelados e todos os outros produtos.

Quanto mais natural, melhor.

Chega de ultraprocessados, realçadores de sabor e de listas de ingredientes impossíveis de entender. As nossas
refeições não tem corantes ou conservantes artificiais, e cada ingrediente é comida de verdade.