Alimentação e depressão: confira 4 alimentos que podem ajudar

Você sabia que alimentação e depressão têm mais a ver do que a gente imagina? Um estudo concluiu que um grupo de pessoas que se alimentava de maneira mais equilibrada tinha os sintomas do transtorno amenizados em relação a um que mantinha um cardápio inadequado.

Menos açúcares e gorduras e mais alimentos de alto valor nutricional representam o segredo para uma dieta contra a depressão. Isso porque essa combinação reduz as inflamações no organismo. Além disso, alguns ingredientes estão diretamente ligados à produção de serotonina — o hormônio que traz sensação de bem-estar e está em níveis baixos em alguns pacientes depressivos.

A depressão é uma doença de ordem mental crônica caracterizada pela tristeza profunda, por mudanças de humor e pelo desânimo, até mesmo, para fazer as atividades de que mais gosta. Quer saber quais alimentos podem ajudar no tratamento dessa condição? Então, continue a leitura porque, neste post, falaremos sobre quatro deles. Vamos lá?

1. Probióticos

Os probióticos são alimentos fermentados que contêm micro-organismos que, por sua vez, melhoram a flora intestinal, como iogurte, leite fermentado e chucrute. Muitas pessoas não sabem, mas o intestino é considerado o segundo cérebro. Nele, são encontrados milhões de neurônios e uma conexão direta com o cérebro.

Além do mais, ele é responsável pela maior produção de serotonina do corpo. Sendo assim, o bom funcionamento do intestino é imprescindível para ter bom humor, e isso pode ajudar nos casos de depressão.

2. Banana

A banana é um alimento incrível, pois nos dá energia e é fonte de triptofano. Esse aminoácido é precursor da serotonina e da melatonina (hormônio do sono). Dessa maneira, ela ajuda tanto na melhora do humor quanto na qualidade do sono, o que é muito importante, já que a maioria dos pacientes depressivos não consegue dormir bem.

3. Oleaginosas

As oleaginosas (castanhas, nozes e amêndoas) representam uma fonte de selênio — um mineral antioxidante que tem suas propriedades relacionadas à melhora dos sintomas da depressão e do humor. Elas também contêm zinco, outro mineral importante para a saúde do cérebro, pois aumenta a eficácia dos neurotransmissores.

Ainda tem mais: como são ricas em gorduras boas, as oleaginosas também atuam como um anti-inflamatório natural. Como dissemos, as inflamações estão ligadas à depressão. Ou seja, as oleaginosas compõem o combo perfeito para ajudar no tratamento do transtorno.

4. Vegetais verde-escuro

As vitaminas do complexo B estão diretamente ligadas à prevenção de transtornos de ansiedade, depressão e estresse. Isso porque são elas que viabilizam a produção de serotonina, regulando esse metabolismo. Entre esse grupo de nutrientes está o folato (B6) presente nos vegetais de cor verde-escuro, como brócolis, couve, espinafre e rúcula.

Devemos lembrar que o tratamento da depressão deve contar com um acompanhamento profissional e a adoção de bons hábitos de vida. A prática regular de atividades físicas, a meditação e as terapias alternativas não só podem, mas devem fazer parte do dia a dia do paciente depressivo. Afinal, o transtorno envolve não apenas a saúde física, mas também a mental e a emocional.

Viu como alimentação e depressão têm uma correlação bem interessante? Uma dieta balanceada e com os alimentos que reduzem os sintomas faz parte do tratamento do quadro, assim como também auxilia na prevenção. Sendo assim, essa é mais uma razão para adotar um cardápio saudável.

Como vimos, a conexão entre cérebro e intestino é bem estreita. Quer entendê-la? Então, aproveite que está por aqui e leia o nosso post que fala sobre o assunto!

Quanto mais natural, melhor.

Chega de ultraprocessados, realçadores de sabor e de listas de ingredientes impossíveis de entender. As nossas
refeições não tem corantes ou conservantes artificiais, e cada ingrediente é comida de verdade.